terça-feira, 27 de março de 2012

Chegou o tempo de actuarmos

Todos os que contestam o actual sistema podem agora tomar uma opção pela Democracia Direta.
Esta solução é a que de melhor forma assegura a nossa capacidade de podermos controlar e exigir responsabilidades a quem assume o poder politico.
É também a forma mais direta e rápida de podermos correr com esta escumalha que sobrevive enquadrada nos actuais partidos.
A Islândia não é apenas um marco. Demonstra acima de tudo a eficácia e a capacidade desta forma de acção politica poder possibilitar níveis de desenvolvimento e efetiva participação civíca que ultrapassam qualquer outro modelo instalado.
Como sempre dissemos, apoiamos de forma empenhada toda e qualquer iniciativa que vá ao encontro desse objetivo.
Assim, aconselhamos a tomarem conhecimento do projeto englobado na iniciativa http://www.26abril.org/.
Seria bom que todos os que pretendem um País mais equilibrado e solidário, onde a justiça seja de facto um dos pilares essenciais da sociedade e se possa finalmente construir um Regime Democrático, que acedam a este site e façam a sua divulgação se entenderem que dali poderá sair uma solução de futuro para o nosso País.
Este poderá ser um momento histórico se em breve podermos ter uma opção de escolha que venha a permitir uma efectiva participação e controlo da coisa publica que a todos diz respeito.
Temos que contribuir para tirar este povo da banheira de ignorância em que continua imerso.
Isso é para nós um objetivo e uma obrigação.
Se entender que tem condições e interesse em participar aceda a http://www.26abril.org/.
Esta iniciativa está aberta ao País. 

1 comentário:

pvnam disse...

Eu não sou a favor da Democracia Directa... todavia, no entanto, o cidadão não pode ficar à mercê das mafiosices dos 'Bilderbergos' e marionetas!!!
Democracia verdadeira, já!.. Leia-se: DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte):
- veja-se o blog fim-da-cidadania-infantil.
{um ex: a nacionalização do negócio 'madoffiano' BPN nunca se realizaria: seria vetada pelo contribuinte!}


ANEXO:
Não é só andar a pagar as dívidas que os governos fazem/deixam!... De facto, quem paga - leia-se, contribuinte - tem de ter um maior controlo sobre a forma como é gasto o seu dinheiro!
Explicando melhor: todos os gastos do Estado que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...] devem estar disponíveis para ser vetados durante 72 horas pelos contribuintes [nota: através da internet].
Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.