segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

O cabrão ainda ri !!!

O muro de lamentações que alguma comunicação social em conjunto com a corja de subservientes  do regime tem feito acerca da forma como o bandalho foi detido, parece não ter qualquer justificação.
Ele continua a sorrir e portanto demonstra que nada o incomoda. 
Com efeito a vida corre-lhe bem, beneficia de alojamento e comida e certamente já teve tempo e sossego para elaborar uma fórmula justificativa para os milhões que roubou ao erário público.
Quem começa a ficar incomodada é essa mesma corja que vê agora o patrono da impunidade poder estar a caminho de prestar contas por toda uma vida de corrupção e embuste e que levou o país à bancarrota.
E tão satisfeita que já andava toda essa canalhada, ocupando lugares na Assembleia, "botando" palavra em defesa do bastardo e também sorrindo a pensar que ainda iriam a tempo de poder bloquear a justiça e garantir assim mais uma vez que o G.F. da P. pudesse manusear tranquilamente os milhões que andam dispersos pelas contas dos amigos e da mamã.
A propósito, o carlos santos silva é irmão do outro ? Sim, aquele que andava sempre junto do sócrates. E que foi ministro. Era o augusto não era ?
Se souberem, confirmem s.f.f.
Mas também sorri porque é parvo e continua convencido que os seus amigos pinto monteiro e cândida almeida ainda lhe vão dar uma mãozinha para mais uma vez bloquearem a máquina da justiça.
Foi certamente para isso que almoçaram antes do bandalho ser detido.
Assim se algo acontecer e o processo bloquear, quem continuará a ser parvo seremos nós por pensarmos que era agora que o porco daria o primeiro passo para ir para o sitio que merece. 
A choldra.
A prisão, ainda assim é destinada a gente um pouco mais decente.
E aí, esperamos que possa vir a ter a companhia de um vara, pelo menos um loureiro, um lima e .... deixamos o resto à consideração dos nossos amigos.
Se nos permitem, sugerimos um conselho final.
Há que fazer tudo para que o p.s. não volte ao governo.
Pelo menos, até o processo do bandalho estar concluído e o mesmo ter dado entrada na prisão.

Leia-se o anexo;
É legítimo supor

José Gomes Ferreira |
9:08 Segunda feira, 24 de novembro de 2014
 A propósito da detenção de José Sócrates, recordo por estes dias vários momentos da vida política do país e do exercício do jornalismo em Portugal.

5 de Janeiro de 2009.
No final do primeiro mandato e já em ano de eleições legislativas, o primeiro Ministro aceita dar uma entrevista televisiva à SIC, conduzida por mim e por Ricardo Costa.
No decurso da conversa tensa, crispada, José Sócrates é confrontado com um gráfico do próprio orçamento de Estado de 2009, que mostra o verdadeiro impacto das sete novas subconcessões rodoviárias em regime de parceria público privada: a conta a cargo do contribuinte é astronómica, mas só comecará a ser paga...em 2014.
A reação do político é de surpresa desagradável, de falta de argumentos rápidos, pela primeira vez em muitos momentos de confronto jornalístico com a realidade das políticas que estavam a ser lançadas como "as melhores para o país", sem alternativa válida. Na mesma entrevista, Ricardo Costa questiona o então primeiro Ministro sobre o verdadeiro impacto da política para o setor energético, que estava a invadir a paisagem com milhares de "ventoinhas" eólicas. A reação evoluiu da surpresa negativa para a agressividade.
No balanço dessa entrevista, boa parte do país "bem pensante" insurgiu-se contra...os jornalistas. Os nomes que então nos chamaram estão ainda na internet, basta fazer uma pesquisa rápida.
Nesse ano de 2009, o Governo tinha lançado um pacote de estímulo à economia no valor de dois mil milhões de euros - obtidos a crédito no exterior porque nem Estado nem privados tinham já poupança interna suficiente.
A maior parte do mega-investimento foi aplicada na renovação de escolas através da Parque Escolar. Uma crise decorrente de um brutal endividamento combatia-se com mais dívida.
No ano anterior, a Estradas de Portugal tinham visto os seus estatutos alterados por iniciativa do Governo. Passava a ser uma entidade com toda a liberdade para se endividar diretamente, sem limite. Ao então primeiro Ministro, ao Ministro da tutela, ao secretário de Estado das obras públicas, perguntei muitas vezes em público se sabiam o que estavam a fazer. E fui publicamente contestado por andar a "puxar o país para baixo".
Em 2007, o então Ministro da Economia cedia por 700 milhões de euros a extensão da exploração de dezenas de barragens por mais 15 a 25 anos à EDP. Os próprios relatórios dos bancos de investimento valorizavam na altura esta extensão em mais de dois mil milhões de euros.

A meados de 2009 começa a ouvir-se falar do interesse da PT em comprar a TVI. O negócio é justificado pela administração da empresa como uma necessidade de as operadoras de telecomunicações, distribuidoras de conteúdos avançarem para o controlo da produção desses mesmos conteúdos.
Por aquela altura, já os casos, dos projetos da Cova da Beira, da licenciatura duvidosa e das alegadas luvas no Freeport faziam as páginas dos jornais e aberturas nas televisões.
Por aquela altura, o jornalista e gestor Luís Marques, dizia-me que era uma vergonha nacional Portugal ter um primeiro Ministro com indícios de ser corrupto. E que a nível internacional isso também já era notado.
Confesso que apesar das dúvidas que tinha sobre a condução dos grandes negócios de Estado, achei exagerada a afirmação. Sublinho a altura em que foi feita - finais de 2009.
O tempo, esse grande clarificador, fez o seu trabalho.
Muitas mais histórias ouvimos desde então sobre a mesma personalidade política.
Muitas investigações que já estavam em curso foram aprofundadas; muitas novas investigações foram iniciadas.
Desde há muito que está a ser questionada a legalidade da atribuição de concessões de barragens por valores irrisórios; que está a ser investigada a suspeita de favorecimento de decisores no processo das PPP rodoviárias; que foi investigada e estranhamente arquivada a suspeita de controlo deliberado da comunicação social através da compra de um grande grupo de comunicação social por uma empresa do regime; que se continuam a investigar a razoabilidade dos mega-investimentos em novas escolas e dos pagamentos avultados a determinados fornecedores...
Outras histórias mal-explicadas, como a da origem dos recursos para manter multiplicados sinais exteriores de riqueza, foram correndo o seu tempo e os seus termos, com ou sem intervenção das entidades de investigação...

O tempo, esse grande clarificador, faz sempre o seu trabalho.
A suspeita materializa-se agora sob a forma de detenção e prolongado interrogatório. A imprensa, desde sempre acusada de conspiração, destapa agora indícios de inquietantes de conluios com recetadores e correios de verbas muito avultadas.
Só se surpreende quem não quis ver os sinais.
É legítimo supor que mais investigações levarão a mais resultados. É legítimo perguntar porque é que no ano 2010 aparecem 20 milhões de euros na conta de um amigo na UBS, na Suíça. E é legítimo lembrar que em Julho desse ano a PT vendeu a Vivo à Telefónica por 7.500 milhões de euros. E é legítimo imaginar que negócios desse tipo requeiram "facilitadores".
Face ao que aconteceu na história recente deste país, é legítimo a um jornalista e a qualquer cidadão interrogar-se sobre tudo isto e muito mais.
E é extraordinário ver que a maior parte do tempo de debate sobre esta mediática detenção é gasta em condenações à maneira de atuar das autoridades judiciais. como se fosse dever dos investigadores convidarem o suspeito para uma conversa amena num agradável bar de hotel, por ter ocupado o cargo que ocupou.
Não, o que está a acontecer em Portugal, com a queda do Grupo Espírito Santo e de Ricardo Salgado, as detenções de altos funcionários públicos no caso dos Vistos Gold e a detenção de José Sócrates, não é uma desgraça: é a Grande Clarificação do Regime, a derrocada do Crony Capitalism, o capitalismo lusitano dos favores e do compadrio.
É revoltante saber que o Parlamento aprovou sem hesitar todos os regimes especiais de regularização tributária, os RERT I, II e III, quando sabiam que a respetiva formulação jurídica iria apagar todos os crimes fiscais associados à repatriação do dinheiro de origem obscura que tinha sido posto lá fora. Os deputados foram previamente avisados desse gigantesco efeito de "esponja" pelos mesmos altos responsáveis tributários que me avisaram a mim...
Os mesmos RERT que passaram uma esponja sobre as verbas de Ricardo Salgado e as do recetador agora identificado no caso do ex-primeiro Ministro.
Sim, o Parlamento continua lamentavelmente a ser a mesma central de interesses.
Mas há esperança. Tal como o país está a mudar, o Parlamento também há de mudar.
A nós, cidadãos e jornalistas, assiste o direito de fazer perguntas, face a sinais estranhos que alguns políticos insistem em transmitir.
Face a esses sinais, é legítimo supor.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/e-legitimo-supor=f899560#ixzz3K04xkwJT 

sábado, 22 de Novembro de 2014

Bom dia, sócrates

Voltamos por uma boa razão.
Sócrates está PRESO. 
Esteja o tempo que lá estiver, isto é um conforto para todos aqueles que ao longo do tempo foram denunciado os desvarios e a corrupção em que este sabujo se envolveu.
Hoje, será dia para os silvas, os lelos, os costas, os galamboides, os pereiras, os ferros, os césares, e toda essa escumalha que rasteja na órbita do grande filho da puta, ter que engolir as afrontas que foram fazendo à diminuta inteligência de um Povo adormecido e que se foi deixando enganar.
Cândida Almeida também deveria estar presa. 
Pinto Monteiro e o outro também deveriam estar.
Muitos outros poderão estar a caminho. Assim se mantenha a disposição de alargar as bases de investigação.
Só ainda não entendemos porque é que os loureiros, os varas, os limas ou os salgados ainda continuam à solta.
Este Regime está podre e tudo deverá ser feito para que se consigam demolir as bases que ainda o sustentam.
Com efeito é inadmissível que muita desta escumalha politica, a que se juntam familiares e amigos, usufruam de rendimentos milionários, quando mais de 80% da população tem que viver com cerca de 600 Euros e a quem ainda se obriga a pagar taxas extraordinárias para ir permitindo que esta corja coloque em offshores largos milhões que vão retirando do erário público.

Este breve momento de passagem é de alguma expectativa e esperança nos desenvolvimentos que se poderão seguir.

terça-feira, 12 de Março de 2013

Tempo de pausa

As razões que nos obrigaram a ser ativos e determinados na luta contra o sistema politico instalado  continuam a ser as mesmas. 
Acontece que sentimos que se está a passar por um tempo de alguma contenção e entendemos ser o momento certo para fazermos uma pausa.
A mola real que nos impeliu tinha um nome e uma referência e são dois embustes.
Sócrates e partido socialista.
Com a mudança dos atores políticos assistiu-se a um esvaziamento do fervor de revolta e verificou-se o aparecimento de novos contestatários de modelo mais suave e mais ao gosto da escumalha politica existente.
Alguns até já se integram e apoiam esses novos movimentos.
Muito sinceramente esse não era o nosso caminho e a passagem do tempo acabou por nos "libertar" de algumas ilusões que iam sustentando a nossa luta.
Hoje sentimos que foram quase 5 anos de combate inglório.
Não sabemos se por incapacidade ou incompetência, nunca conseguimos alcançar os objetivos pretendidos e que mais não eram que colaborar com quem tivesse condições para assumir as lideranças que a "sociedade civil" urgentemente necessita.
Mas nada aconteceu e sentimos que tão depressa nada irá acontecer.

Continuaremos contudo à espera que possa surgir algo que desperte a gente capaz que sabemos existir e que tem o dever cívico e moral de se empenhar numa solução para o País. 
Até lá sugerimos a quem por aqui passar que vá seguindo os Blogues que destacamos nas nossas referências.
Estamos alinhados com quase tudo aquilo que vão escrevendo e analisando.
Até breve. 


segunda-feira, 4 de Março de 2013

Será opçáo ?

O estado a que chegámos obriga a ponderar-se de forma muito séria até que ponto não deveremos considerar outras opções de desenvolvimento económico para lá do atual enquadramento na U.E.. Digamos, equacionar as possibilidades e consequências de uma eventual saída do Euro.
Como sabemos a nossa miserável classe política rejubilou com a assinatura do acordo de Lisboa. Um reforço da União Europeia foi como que um salvo conduto para a sua manutenção e propiciou mesmo o alargamento do mercado de colocação de esterco intelecto / politico que daqui vai sendo transferido. Exemplo, vitor constâncio.
Os que por cá continuam já demonstraram que não têm soluções nem capacidade para retirar o País do fosso em que se encontra.
Os verdadeiros estadistas, que não temos, para lá de terem de ser sérios têm que ser competentes, conhecerem o povo que constitui esta Sociedade e possuirem a determinação e o arrojo para combaterem as insuficiências, corrigirem as desigualdades e gerirem a coisa publica com o sentido de responsabilidade que tem faltado a quase todos os que têm passado pelo governo.
Com efeito, governar é tomar medidas que possam melhorar a qualidade de vida das pessoas, gerindo os recursos de forma sensata, procurando no contexto global em que nos inserimos as melhores opções estratégicas e optar por aquilo que melhor se enquadrar nas caracteristicas da sociedade em que estamos inseridos. Por vezes é bom ser-se visionário.
Até que ponto é que estamos a ver bem a nossa ligação á U.E. ?
Leia-se o artigo que transcrevemos;
O futuro de Portugal 
Há um economista que não deixa ninguém indiferente. Chama-se Hans- -Werner Sinn.
Dirige o maior instituto de investigação económica germânico, sediado em Munique. Tem sido o campeão das políticas de austeridade. É um firme opositor dos planos de resgate e acusa o Governo de Merkel por não ser suficientemente duro para com a periferia.
Apesar da barba lhe dar um ar de clérigo islâmico, a verdade é que a inflexibilidade de raciocínio e a teimosa indiferença face aos sinais da realidade remetem-no para o universo da Schwärmerei, uma forma germânica de fanatismo, sempre com consequências devastadoras para a Europa.
Este homem liderou um estudo sobre o estado da economia europeia acessível na Internet ("The EEAG Report on the European Economy 2013").
Enquanto percorríamos as ruas em protesto nas cidades portuguesas, Sinn explicava a um jornal espanhol as teses centrais do estudo: a austeridade na periferia europeia vai durar, pelo menos, mais dez anos. Mais concretamente: "Espanha, Portugal e Grécia necessitam de uma desvalorização interna de 30%; a França, de 20%; a Itália, uma descida de preços de 10%."
Mas Sinn vai mais longe, considerando que a Espanha talvez possa permanecer na Zona Euro, mas tanto a Grécia como Portugal estão condenados a sair do euro:
"As atuais exigências europeias sacrificam uma geração ao desemprego maciço. Portugal está numa situação semelhante."
Para nós, as palavras de Sinn têm a vantagem de colocar o debate no seu fulcro. O que está em causa não é o prolongar por mais um ano a meta do défice, mas saber se Portugal aceita continuar por esta via que faz da pobreza um objetivo de política pública, e onde, no final, acabará por perder a própria alma. Aquilo que confere a uma nação o direito de existir.
Viriato Soromenho Marques

sábado, 2 de Março de 2013

Desculpem a franqueza

Que se lixem estas manifestações.
Não percebemos para que é que se convocam uns milhares de pessoas para cantarem a Grândola Vila Morena.
Isto é aquilo que o governo gosta de ver e ouvir, o partido comunista tenta aproveitar e o ps acredita que vai tirar benefícios do descontentamento geral que grassa na sociedade portuguesa.
A Grândola de punho erguido já devia fazer parte da história.
 
O que o País precisa é de gente capaz de construir uma Plataforma de Intervenção Cívica que apresente propostas concretas para a revisão do Sistema Politico e que possa criar condições para uma efetiva mudança na forma de se exercer a ação governativa.
Para lá de tudo aquilo que deverão ser os objetivos concretos a atingir, há uma exigência básica que tem que ser feita.
O voto que serve para eleger terá também de servir para poder demitir.
Não podemos continuar a eleger pessoas que não respondem perante os eleitores nem perante o sistema judicial e continuam imunes a qualquer responsabilidade mesmo que "enterrem" o País como fizeram os governos de sócrates ou como continua a fazer este governo.
Este Regime tem que acabar.
Para esse esforço estaremos disponíveis e não será preciso o acompanhamento da Grândola.

sábado, 23 de Fevereiro de 2013

E no entanto eles movem-se

Temos apreciado muito favoravelmente toda a contestação direta que ultimamente se tem vindo a fazer aos atuais governantes.
Sempre considerámos que face à "solidez" das estruturas de controlo e defesa do Estado e da classe política, só poderiam ser eficazes movimentos de revolta sustentada e consequente ou ações seletivas que tivessem impacto no "moral" desta escumalha que se apoderou do País.
A revolta até agora ainda não ganhou peso suficiente mas poderá engrossar com o crescer das atuais movimentações contestatárias.
Por isso, expressámos o nosso apoio àqueles que se teem disponibilizado para irem executando essa tarefa.
Não nos preocupámos demasiado com objetivos secundários ao efeito imediato.
Acontece que tal como prevíamos a ferida infetou.
A classe politica sente agora que a revolta começa a ganhar condições para poder alastrar.
Talvez por isso se comece a perceber porque estão marcadas para o mesmo dia 2 manifestações que aparentemente visam os mesmos objetivos, mas..... inesperadamente forças politicas que nunca se agregam aparecem agora a apoiar uma destas iniciativas.
Pensamos que um novo ciclo está em desenvolvimento.
Vamos ver se eles serão capazes de se moverem para o anular.

quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2013

Este é o meu Povo

Finalmente começámos a perceber que é preciso enfrentar esta escumalha politica por onde quer que ela se tente movimentar.
Obrigado juventude determinada e disponível para as lutas que se aproximam.
Esta é a via adequada e com maior eficácia nas presentes circunstancias.
Que prazer sentimos ao ver o "facies horendus" desse estropicio que dá pelo nome de relvas.
Que melhor confirmação poderíamos ter da eficácia destas ações que escutar a escumalha do ps e do psd a falar em métodos anti democráticos. 
Até santos silva vem apoiar os homens do governo.
Isto demonstra a consciência que já ADQUIRIRAM de que estão a lutar pela defesa do sistema.

Agradecemos também a Boaventura Sousa Santos a intervenção que teve no jornal da tarde da SIC onde defendeu e justificou o carater eminentemente democrático de todas estas intervenções.

Agora vamos levar a sério e contribuir para o movimento de CERCO AO PARLAMENTO, previsto para o dia 2 de Março.
Vale a pena considerarmos a nossa presença e vamos lá estar.